Carta de despedida (Lucas Miguel) | Intro Sessions

Carta de despedida (Lucas Miguel) | Intro Sessions

O eu lírico é injusto.
Sua lei é olho por olho, dente por dente:
Dias ruins nos inspiram a palavras melancólicas,
Assim como dias bons nos trazem ótimas a mente.

Mas o que fazer quando nos trazem o vazio?
As palavras não vem;
A caneta não escreve.
Tudo por que eu não sei expressar o “nada”;
Justamente porque ele é “nada”.

Então não que eu me considere um, mas a expressão de um artista nem sempre é pra ser apreciada.
Digo: não é pra necessariamente nos fazer rir, chorar, ficar felizes ou tristes.
É justamente pra ser “nada”.

Considerando isso, a depressão é uma arte que é pra ser nada.
Não é pra ser apreciada, porque não é nada além de nada.
É vazia.
É inexpressiva.
E eu tenho medo.

Então se um dia o nada tomar minha inspiração,
Que o meu eu lírico repense melhor a sua lei,
Ou se arrependa amargamente da sua injustiça;
De ter me dado a oportunidade de expressar…

Autor: Lucas Miguel

Gabriel Lira

Apenas um cara tentando fazer a coisa certa.

Deixe uma resposta

Fechar Menu