O problema do filme Bruna Surfistinha

O problema do filme Bruna Surfistinha

Não posso admitir que, com dinheiro público, se façam filmes como o da Bruna Surfistinha“, disse o presidente Jair Bolsonaro em defesa da transferência do Conselho Nacional do Cinema para a Casa Civil. Em um mundo liberal, realmente, QUALQUER COISA com dinheiro público é um absurdo – afinal, esse modelo de governo propõe a mínima participação do estado na vida do cidadão. POREEEM… O que está acontecendo aqui é bem mais grave.

A justificativa de tantos cortes de verbas e movimentações dentro dos ministérios não é sobre investimentos e faturamentos (afinal, a indústria audiovisual do Brasil já superou ate mesmo a AUTOMOBILÍSTICA em crescimento); está se usando critérios de “”””conteúdo””””” (com muitas aspas) para justificar tudo isso.

Qual o problema com “Bruna Surfistinha” ? É uma produção com começo, meio e fim como qualquer outra, contando a história real de uma garota que não teve opções a não ser se prostituir. O que eu enxergo aqui, é uma espécie de censura em prol da família tradicional brasileira. “O cidadão de bem não quer que seu dinheiro seja investido em filmes desse tipo”. Quem dera houvesse tamanho investimento como dizem… O audiovisual no Brasil se desenvolveu sem precisar de muletas do estado, e isso desde sempre. Até hoje o cinema de guerrilha, aquele cinema raiz com baixo orçamento e muitas gambiarras, é feito no nosso país, e muito premiado por isso – só esse ano ganhamos 3 categorias no festival de Cannes.

Tá, Bruna Surfistinha é um filme sobre uma prostituta. E daí ? Assiste quem quer, pô. O medo de produções “controversas” surgirem é tanto que o governo tenta cortar o mal pela raiz e fuder de vez com a vida do produtor cinematográfico. A solução mais óbvia agora é buscar incentivo privado, onde as produções não precisam passar por uma censura moral pra chegar às telas. Eu odeio ter que admitir mas o estado é importante para a fomentação cultural do Brasil (que já é pouca!). Agora, mais do que nunca, a arte cinematográfico será um movimento de combate a qualquer tipo de marginalização da arte, e vai suar mais do que nunca pra ganhar reconhecimento e respeito lá fora, por que aqui no Brasil…

Gabriel Lira

Apenas um cara tentando fazer a coisa certa.
Fechar Menu