NESTE DIA você terá que fazer uma coisa que não faz há muito mais do que quatro anos.
Hoje você vai ter que abrir os olhos.
Ao ar livre.

Comecei a ler Caixa de Pássaros, sem muitas expectativas ou sem interesse algum. Não sabia sobre o que era e nao tinha lido nenhuma sinopse a respeito. Estava as cegas. Aquele livro que você decide dar uma chance. Nas primeira 30 páginas, o livro me prendeu completamente e cheguei a implorar que não ganhasse uma ressaca literária com ele. Confesso que livros com a teórica de suspense me fascinam pela facilidade de te fazer querer chegar ao fim. Pois bem, na metade eu ja não sabia o que pensar. Se você quer uma dica pode muito bem compara-lo ao filme Contatos de Quarto Grau. No filme uma psicóloga encontra uma semelhança no sonho de seus pacientes tratados. Todos acabam enlouquecidos. Ao fim. Cabe ao leitor decidir que tipo de criatura mexeria com a cabeça das pessoas a fim de que se matassem.

Fazemos isso com nós mesmos fazemos isso com nós mesmos FAZEMOS ISSO com NÓS MESMOS. Em outras palavras (guarde isto!): O HOMEM É A CRIATURA QUE ELE TEME.

Caixa de Pássaros é bem parecido. Malorie se vê em meio a um terror mundial. Pessoas estão tirando a própria vida é machucando entes queridos logo após verem alguma coisa. Ninguem sabe dizer que coisa está causando isso. Todos andam as cegas com medo de algo que não podem ver. Malorie está grávida e assim como seus amigos – da casa onde recebeu proteção após encontrar a irmã morta no banheiro – ela está tentando se proteger das criaturas e proteger aos filhos do que não podem ver.
Enfim, o livro mostra ser o relato de uma mãe tentando encontrar uma maneira de sobreviver em meio ao caos. De ser uma boa mãe. De ter uma vida. Malorie é uma sobrevivente e está disposta a salvar os filhos, a fazer o que for preciso. O livro em si fala sobre as dores de ser mãe. As criaturas podem ser vistas como os medos do mundo. Tudo o que uma mãe pode enfrentar pelos filhos.
É bem difícil dizer a história de Malorie sem entrega-la completamente. O livro fala acima de tudo sobre coragem. Coragem de enfrentar o mundo, seguir em frente, e sobreviver. Um terror psicológico que te leva ao êxtase e ao declínio.  Como diz no filme Contatos de Quarto Grau, leiam e tirem suas próprias conclusões.

Texto originalmente escrito por Shelle Haniê.

Fechar Menu