Home | Bitered

Cultura Pop do mundo.

Review | Os Suicide Boys não estão nem aí pra indústria da música

Eles mudaram todo modelo de venda e apreciação de músicas, e sabem disso. Os Suicide Boys, dupla formada pelos primos Ruby Da Cherry e $crim (Suicide Christ) lançaram nesta sexta-feira (7) seu primeiro álbum desde 2016, intitulado de ‘I Want To Die in New Orleans’. Curiosamente, nesse período de dois anos, a dupla de horrorcore/glitch-trap lançou apenas singles e estouraram de vez no mundo da música. Tudo isso sem depender de ninguém além de si mesmos, quando prometeram um ao outro que se matariam caso não fizessem sucesso até os 27 anos de idade (a partir daí fica fácil entender o nome Suicide Boys). 

Com um estilo novo, foi praticamente impossível para a dupla achar alguém que quisesse investir e produzir seus sons. Desistir ? Não. Eles criaram sua própria gravadora, a G*59 Records, mixaram suas próprias músicas, e gravaram seus próprios clipes. Independente de qualquer um, se tornaram expoentes da contra-cultura underground, com números de visualizações impressionantes no SoundCloud (berço do trap) e Youtube, com praticamente todos seus vídeos batendo 1 milhão de visualizações em 1 semana a partir do lançamento.

‘I Want to Die in New Orleans’ começa sua primeira faixa com uma introdução de Max Beck, que se tornou com o tempo parceiro da dupla fotografando e gravando seus clipes mais recentes; na intro, Max questiona os Suicide Boys :

”Eles mudaram tanto, você sabe o que eu tô dizendo ?
Como que esses dois filhos da p*ta, de New Orleans;
Como eles mudaram, como eles mudaram a música ?
– Intro de King Tulip 

O álbum chega após uma pequena pausa da dupla, que prometeu ficar sóbria até terminarem os trabalhos. Tendo conquistado tantas coisas sozinhos, Ruby e Scrim sabem de sua importância e do quão ‘temidos’ são pelos outros artistas, empresários e pessoas que fazem desse ramo um verdadeiro negócio e fonte de renda. 

Na faixa ”FUCK The Industry”, colocam em jogo suas críticas à todos que um dia foram contra o que estavam fazendo :

” Eu sou a ovelha negra desta merda da indústria da música
Costumava ser um bando de nós, mas agora os rebanhos esgotam ”

” Foda-se qualquer um que pense que sou o mesmo
Foda-se quem quer que eu mude
Não há mais mudanças nunca
É por isso que a minha Glock está na cômoda ”

Misturando diferentes flows e melodias em suas músicas, testando novas possibilidades e brincando com as alternativas, o $B não está nem aí para vender álbuns ou aparecer na mídia. Eles fazem sua própria parada, e ganham visibilidade desse jeito : incomodando a todos, indiretamente. 

Deixe uma resposta