Eu sempre fui um grande crítico de Stranger Things quando a série explodiu logo no lançamento. É aquela crítica que já tá manjada, mas é bem real: muitas referências, muitos easter eggs, e nada de original. Pra quem gosta e assiste muitos filmes e séries, pode interpretar isso de duas maneiras : como uma grande homenagem, ou como uma baita falta de criatividade. O fato é que a série dos irmãos Duffer virou um verdadeiro hit, independentemente de ser original ou não. E eu mesmo acabei entrando na onda. Apesar de tudo, aqueles personagens me pareceram muito interessantes, e bem maiores do que a história em si.

A questão é que se passaram uma, duas temporadas, e chegamos na terceira e quem continua mantendo esse show de pé são os personagens. Até porque os antagonistas da história são um pé no saco da audiência, sempre foram. Porém, parece que dessa vez as ideias começaram a esgotar de vez, e os roteiristas ficaram encurralados. Na segunda temporada já tivemos uma prova disso, naquele filler desesperado onde encaixaram uma irmã perdida da Eleven que nunca mais deu as caras. Desde lá, a série dos The Duffer Brothers flertou diversas vezes com outros caminhos, outras opções pra continuar essa história; mas fazer o óbvio é bem mais fácil. A terceira temporada da série é um amontoado de momentos desperdiçados, elementos que poderiam ser mantidos mas que foram jogados no lixo pra que tudo chegasse no clímax grandioso do final.

Falando nisso, Stranger Things infelizmente caiu no conto de Hollywood, onde todas as continuações, supostamente, devem ser MAIORES em dimensões do que a anterior. Pode reparar que o perigo é o mesmo, o inimigo é o mesmo desde o primeiro episódio, mas ele está sempre maior (literalmente), mais forte, mais traiçoeiro. Justamente por ter medo de tentar algo diferente e se arriscar, a série acaba se repetindo nas ameaças, só mudando o contexto. Pessoalmente acredito que essa história de Mundo Invertido não vai durar por muito mais tempo, ou pelo menos a audiência vai começar a se dar conta disso. A quarta temporada, que com certeza será lançada em breve, precisa pensar em algo novo pra manter a série viva. A ideia original sempre foi acompanhar esses personagens crescendo, tipo Harry Potter. Infelizmente pra isso é preciso ter uma outra história de fundo, a não ser que dessencanem de vez com o Upside Down e tentem uma outra parada, talvez ainda mais focada nos personagens, um verdadeiro drama adolescente. Harry Potter, que serviu de exemplo, conseguiu fazer isso perfeitamente ao longo dos anos. Ok, existia todo aquele lance do Voldemort e tal, mas o que realmente interessava era a vida do Harry e as relações dele com seus amigos. Há um caminho a se seguir aqui.

Ao fim, fica a sensação de que Stranger Things anda, anda, anda e não chega a lugar nenhum. A evolução dos personagens não vai muito além da física e das típicas mudanças da infância pra adolescência (aliás, outro tema que foi tocado durante a terceira temporada mas não perdurou por muito). Tomara que as coisas mudem, porque potencial existe, o problema é que bastante gente dentro da Netflix não tem interesse em chacoalhar e mexer com a queridinha do público que assina o serviço.

Fechar Menu