Foi escutando um funk super frenético num programa dominical que eu cheguei à uma conclusão : toda música precisa de um contexto para ser escutada. Isso porque ao ouvir o funk naquele programa, a música me pareceu extremamente ruim, mas ao pensar em qual seria um ambiente e contexto adequado para sua reprodução, ela pareceu fazer mais sentido. Sim, talvez escutar uma música acelerada num programa de TV, sentado tediosamente no sofá, não tenha o mesmo sentimento de escutá-la num local mais propício para tal; como uma festa, balada, ou um momento mais animado.

Isso nunca havia passado pela minha cabeça posteriormente, e eu tratava música como apenas um entretenimento instantâneo, um erro que cometia com outras artes como cinema e séries de TV, mas que logo corrigi. Mas por que demorei tanto para perceber que a situação era a mesma ao se escutar uma música ?
Quando assisto um filme, eu quero estar completamente imerso nele. Pense nos seus longas-metragem favoritos, e agora imagine o motivo de gostar tanto deles. Consideramos como 'favorito' filmes que mexeram conosco, que podemos assistir repetidas vezes sem enjoar, mas principalmente filmes que entendemos completamente. Whiplash (2014), por exemplo, é um dos meus filmes favoritos, pois eu consegui enxergar a verdadeira mensagem do filme por trás da primeira camada superficial, que diz ''nunca desista dos seus sonhos que você será recompensado''. Consegui compreender a jornada do protagonista que é um artista que está disposto a deixar tudo de lado para fazer o que ama, mesmo que para isso ele não tenha um motivo claro. Eu compreendi isso por que já passei e passo pela mesma situação.
Mas, e se eu tivesse assistido Whiplash com imagem e som ruins, com luzes acessas no local de exibição, com pessoas conversando a todo momento ? E se eu não estivesse focado, imerso no filme ? Com certeza minha visão seria outra. Por isso, procuro sempre ter a melhor experiência cinematográfica antes de julgar um filme por si só, pois se eu consegui captar a essência do filme, e entender o que o diretor quis passar com suas escolhas no longo, aí sim estarei apto para dizer se o filme é bom ou ruim. Aliás, vale o teste para todos. Comecem a prestar mais atenção nos filmes antes de dizer se eles são bons ou ruins.
Se isso vale para filmes, por que não valeria para música ?  Antes eu encarava cinema e filmes apenas como um passatempo, mas ao descobrir os esforços e criatividade envolvidos numa produção, passei a dar mais valor e a tratar como a arte. Se assisto um filme, é como se estivesse apreciando uma obra de arte, não importa a qualidade.

Toda música tem seu contexto, e se mudado, pode alterar o sentido original dela. Tente encarar a música como um momento de contemplação, e não como distração, a menos que esse seja o objetiva dela. Mais um exemplo : eu tinha MUITO preconceito com k-pop. Simplesmente assistia os clipes e achava tudo uma cópia da música pop ocidental feita com muito capricho. Recentemente parei para escutar o último álbum dos BangTan Boys, o BTS, maior grupo da atualidade (e não só de kpop). O álbum é intitulado Love Yourself : Tear.  E eu só posso dizer uma coisa : se você realmente gosta de música boa, não importando o gênero. OUÇA. Agora. A qualidade é impressionante, e as músicas não são tão bobinhas quanto parecem de primeiro momento. Inclusive, algumas tem um tom bem melodramático, com letras complexamente compostas, com várias camadas de temas, como a popular 'Fake Love' ou 'Magic Shop'. Diferente do pop ocidental, olha só, que é tão superficial que as letras de cantores como Maluma, Ariana Grande ou até mesmo a 'nossa' Anitta, poderiam ser escritos por uma criança de 10 anos.
Então busque sempre o contexto original das músicas, e escutá-las como foram pensadas para serem. Não adianta querer escutar trap tomando chá num sítio de inverno e depois reclamar que a música é ruim. Pergunte para os manos que vivenciam a trap music o que eles acham disso. Mesma coisa com o baile reggaeton, o heavy metal, e olha só, o kpop.
Fechar Menu